Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

www.portofolha.com

é uma página focada na história e evolução de Porto da Folha.

Seja Bem Vindo!

 

Grupo Escolar Maynard GomesGrupo Escolar Maynard Gomes

 

 

 

  

 

  

 

   

  

 

 DETALHES DE NOSSA HISTÓRIA

 

                  

 

Antônio Pinto de Resende
"Tôtô"Antônio Pinto de Resende "Tôtô"

Administração

Antônio Pinto de Rezende

 

            Aos 03/10/1954, pleno domingo, a comunidade portofolhense compareceu às urnas e elegeu o Sr. Antônio Pinto de Rezende (Totô) prefeito.  Neste momento democrático a cidade esteve em clima festivo, pois aconteceu na mesma ocasião eleições para governador, senadores, deputados federais e estaduais, sendo eleito para governador de Sergipe o engenheiro civil Leandro Maynard Maciel (UDN), que havia disputado o mesmo cargo nas eleições anteriores, saindo-se prejudicado no final, detrimento causado pelas diversas impugnações de urnas no Estado. Diz-se que na eleição anterior Leandro ganhou, mas não levou. Entretanto, desta vez Leandro Maciel obteve 52.884, ultrapassando suavemente seu opositor do PSD, Edélzio Vieira de Melo, que se aproximou com 51.522 votos no Estado. 

          Meio as festividades dos comícios, produzidas pela disputa acirrada entre os dois principais candidatos ao governo de Sergipe, o eleitorado portofolhense esteve dividido por causa da divergência de opinião entre lideranças locais. De um lado o portofolhense Hermeto Feitosa concorrendo a vice-governador na chapa de Edélzio Vieira, e do lado oposto, apoiando Leandro Maciel, Antônio Pinto de Resende buscando a vaga de prefeito local pela UDN, tendo como opositores: Antônio Alves da Rocha (Marotinho) concorrendo pelo PR e Pedro Xavier de Melo pelo PSD. 

          Ao lado do candidato Totô esteve a maior fatia do eleitorado portofolhense, suficiente para a superação de Leandro Maciel no sertão e sergipano e, consequentemente, no Estado. Há quem diga que o município teria melhor atenção do governo se o governador eleito fosse Edélzio Vieira porque seu vice era natural deste município, infelizmente isto não aconteceu.  

          Em janeiro de 1955, Antônio Pinto de Rezende tomou posse na prefeitura. Nesta ocasião tomaram posse na Câmara Municipal os vereadores: Manoel de Souza Lima, Luiz Pereira Valença (Luiz padeiro), José Pereira Dantas (Zé de Simeão), Antônio Pereira Feitosa e Antônio Rito de Melo. 

          Presidente da República na ocasião: João Fernandes Campos Café Filho (1954-1955). Café Filho tinha sido vice-presidente e sucedeu Getúlio Vargas até a realização de novas eleições. A administração Café Filho teve curta duração em face de sua saúde debilitada, que motivou o afastamento do cargo. A seguir, Carlos Luz(1955) veio a assumir a presidência do Brasil durante 03 dias, sendo forçado a deixar o posto por suspeita de não querer entregar o cargo ao novo presidente eleito; em seu lugar assumiu Nereu Ramos (1955-1956) até a posse de Juscelino Kubistchek.               Destacaram-se como obras da gestão Antônio Pinto de Rezende (1955-1958): reforma da praça da matriz onde foram fixados bancos de concreto e jardim; melhoramento no hospital local; ampliação do mercado de carnes em Lagoa do Rancho; instalação de eletricidade à motor na Ilha do Ouro; construção de 01 barracão para abrigar os feirantes em Lagoa Redonda; construção de 01 açude na gruta que desce a serra do Moreira, denominado tanque do Moreira (através de iniciativa do vereador José de Simeão). No período da gestão Totô e do governador Leandro Maciel deu-se a implantação definitiva do Termo Judiciário Único em Porto da Folha, anteriormente anexo à Gararu. 

          A administração “Totô” foi considerada bem sucedida, sobretudo pelas conquistas que tiveram a participação do governador Leandro Maciel.    

          Antônio Pinto de Resende nasceu em Porto da Folha aos 22 de setembro de 1912, filho de Pedro Canuto de Melo e Vitalina do Couto Resende Melo. Destacou-se como agropecuarista e líder político. Faleceu dia 19/11/1997 deixando esposa, filhos e netos. 

 

Fonte: Joaquim Santana Neto

Catedral de AracajuCatedral de Aracaju

               

 

LAGOA DO RANCHO

 

Povoado Lagoa do RanchoPovoado Lagoa do Rancho

 

           Lagoa do Rancho é a terceira povoação mais populosa de Porto da Folha e está localizada num dos pontos de razoável altitude do sertão, também possui solo fértil e clima fresco. Distante 18 km da Sede, ao sul, Lagoa do Rancho se destaca como povoado bastante organizado em urbanização. Sua origem, na visão do historiador Antônio Carlos Pereira, é bastante engraçada: 

          Os comerciantes que vinham a Porto da Folha vender seus produtos passavam por uma estrada em frente a uma casa na beira de uma lagoa, terras do Sr. João Quenquém (pai do Padre Lima). Nas cansativas viagens em carro de boi ou lombo de animais, os viajantes se aproximavam da casa e pediam abrigo ao morador Graciliano, que os atendia com total hospitalidade. Na sequência das viagens, os comerciantes conversavam interagindo uns aos outros: Onde vamos parar pra descansar? No rancho da lagoa! A resposta era sempre a mesma. A seguir o local ficou conhecido por Rancho da Lagoa, posteriormente Lagoa do Rancho. 

          Na década de 1930 ficou constatada a existência de várias casas e novos moradores, inclusive a permanência do Sr. Manoel Alves da Silva (Manoel Corcunda) na localidade. 

          Certo dia um viajante baiano, conhecido por João Américo, de Jeremoabo e radicado em Carira, ao passar pelo local e observar certa quantidade de casas, convidou o Sr. Manoel Corcunda para juntos iniciarem uma feira. Pouco a pouco a feira foi se tornando importante para o desenvolvimento da povoação já conhecida por Lagoa do Rancho. 

          Entre os cidadãos que contribuíram para o engrandecimento da localidade estão: Maria Clemência, Maria da Graça Santos, Manoel Bolachão, Maria Chagas, Antônio Loureiro Feitosa, João Aragão, Solano Loureiro, Dominguinhos, professora Ivete e outros. 

          Atualmente a comunidade é servida pela rodovia Pedro Barreto, inaugurada na administração do governo João Alves Filho e do prefeito Antônio Loureiro Feitosa. O povoado no ano 2000 contava com 1144 habitantes e 419 residências, tendo como principal fonte de renda a agropecuária, visto que também se acha no bojo da bacia leiteira do sertão sergipano.

 

  (versão Joaquim Santana Neto)      

 

VEREADORES DO PERÍODO

ENTRE 2001 e 2004

 

Vereadores na 2ª gestão do prefeito José Júlio Nunes de S. GomesVereadores na 2ª gestão do prefeito José Júlio Nunes de S. Gomes