Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

www.portofolha.com

é uma página focada na história e evolução de Porto da Folha.

Seja Bem Vindo!

 
 
Isolado, Moro vive novo desgaste com ações do Congresso, STF e Planalto
Eduardo Lucizano, do UOL

Reportagem desta sexta-feira na Folha mostra que a atuação do ministro da Justiça, Sergio Moro, nas últimas semanas intensificou seu desgaste em Brasília e deu força a uma ofensiva dos três Poderes contra ele.

O Legislativo impôs derrota a Moro na terça (6) ao retirar do texto do projeto anticrime o chamado "plea bargain" que era planejado (tipo de solução negociada entre o Ministério Público, o acusado de um crime e o juiz) e articula novas mudanças na semana que vem contrárias ao interesse do ministro.

No Judiciário, ao menos duas decisões do STF (Supremo Tribunal Federal) foram contabilizadas como contrárias ao ex-magistrado: a preservação do conteúdo de mensagens de autoridades interceptadas por hackers, com envio à corte na segunda (5) de cópia do inquérito da Polícia Federal que trata do assunto, e a rejeição na quarta (7) da transferência do ex-presidente Lula de Curitiba para São Paulo -que havia sido pedida pela PF, subordinada a Moro.

No Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro tem dado anuência para a demissão de um aliado do ministro no Coaf (órgão de inteligência financeira) e deu "caneladas" recentes que enfraqueceram Moro.

Nesta quinta (8), alfinetou o ministro ao pedir que ele tenha "paciência" com a tramitação do pacote anticrime, afirmando que a prioridade do governo é a aprovação de medidas econômicas.

Disse ainda que que, como juiz, Moro estava acostumado a ter a caneta na mão, mas que no papel de ministro suas decisões não podem ser unilaterais.

"O ministro Moro é da Justiça, mas ele não tem poder de... não julga mais ninguém. Então, temos que, entendo a angústia dele, em querer que o projeto dele vá para a frente, mas nós temos que combater, diminuir o desemprego, fazer o Brasil andar, abrir o nosso comércio", disse, afirmando que a proposta do chefe da Justiça não pode atrapalhar a aprovação de projetos-chave como as reformas previdenciária e tributária.

 

Compartilhamento  Joaquim Santana Neto